Hotel mundo

neste hotel

que é a vida,

penso no mundo,

em todo mundo.

ou seria o mundo

o hotel,

e a vida,

aquilo em que penso?

estou de passagem

a mercê do tempo?

ou está o tempo

a mercê dos fatos?

…………………………..

ana luiza libânio dantas

Hotel mundo (Hotel World) de Ali Smith é um romance premiado. Smith utiliza do fluxo de consciência de suas personagens para expor a relação que há entre tempo e vida. Não é cronológico, o texto; inicia-se no passado com um acidente em um dos hotéis da rede “Global”. Em seguida, presente histórico, futuro condicional, perfeito, futuro do pretérito, presente, esses são os capítulos que sucedem à queda do elevador de bandejas do Hotel Global de certa cidade inglesa. Considerada uma escrita pós-moderna, o texto de Smith nos envolve na história de cinco personagens que, descobrimos ao longo da narrativa, têm alguma conexão com o acontecimento que desencadeia uma série de outros episódios.

A queda do elevador não seria tema para esse romance, se Sara Wilby não estivesse encolhida – em posição fetal – dentro dele, rumo a sua morte.  Uma brincadeira, uma aposta, segundos que alteraram a vida da menina campeã de natação. De certa forma, como em um “efeito borboleta”, esses segundos – o tempo entre a vida e a morte de Sara – alteraram a vida de sua irmã, assim como a de uma moradora de rua, de uma crítica de hotéis e de uma das recepcionistas do estabelecimento.

“Isto é antes. Isto é agora.” Lise, a recepcionista, faz-me pensar: afinal, quando foi que tudo aconteceu? O tempo me enleia. Quantas vezes já refleti sobre fatos e lancei mão do pretérito imperfeito do subjuntivo: e se eu (não) tivesse… o fato é que… não há fato. Opa! Como não? Entre a realidade e as possibilidades, há uma linha tênue. O agora já é passado e este somente é, porque agora tenho memória.  Mas se esta eu não tiver, nada há. Então, fatos somente são fatos se… houver o subjetivo.

“O tempo sempre teve fama de ser enganador. Todo mundo sabe disso (embora seja uma das coisas mais fáceis de esquecer). […] Como o tempo parece caminhar em uma cronologia linear mais ou menos simples, de um momento, segundo, minuto, hora, dia, semana etc., para o outro, as formas das vidas no tempo tendem a ser traduzidas em uma sequência linear comum que por sua vez se traduz facilmente em um significado facilmente reconhecível, ou um sentido.” (p. 101)

Fechei o livro de Ali Smith e fiquei com esses pensamentos em mente. E agora? Não tivesse eu lido esse texto, nada disso me ocorreria.

Boa leitura. Boas reflexões.

Anúncios

Deixe um comentário

Preencha os seus dados abaixo ou clique em um ícone para log in:

Logotipo do WordPress.com

Você está comentando utilizando sua conta WordPress.com. Sair / Alterar )

Imagem do Twitter

Você está comentando utilizando sua conta Twitter. Sair / Alterar )

Foto do Facebook

Você está comentando utilizando sua conta Facebook. Sair / Alterar )

Foto do Google+

Você está comentando utilizando sua conta Google+. Sair / Alterar )

Conectando a %s